terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Internet compartilhada virou comércio em Pernambuco

Desde já informo que esta mensagem não se trata de crítica nem acusação a quem quer que seja mas sim, uma sugestão e alerta aos provedores de internet fixa e móvel.

Supostamente devido aos altos custos na aquisição de internet banda larga e por estarem com nomes negativados no SERASA e no SPC, inúmeros internautas se sujeitam a usar a internet compartilhada e de má qualidade. 

A internet pirata tornou-se uma prática corriqueira e isso prova que os valores cobrados pelas operadoras de internet estão acima dos limites das condições financeiras de muitos.  

Geralmente os "compartilhadores" pagam uma quantia mensal entre 40 e 50 reais por uma velocidade lenta e ainda pagam os equipamentos de instalação.

Existem casos em que o pagamento é feito através de boleto bancário como se isso fosse uma atividade legal. Seria cômico se não fosse trágico.

Enquanto isso, os "espertalhões do comércio ilegal" estão se dando bem em cima dos incautos internautas.

A sugestão seria a internet banda larga sem aquisição de telefone fixo que encarece o serviço e para os que preferem internet móvel, seria oferecido internet com modem 3G, pré-pago, para abranger também a grande quantidade de inadimplentes brasileiros.

Internet legalizada pelo valor médio de 40 e no máximo 50 reais por 1 Megabyte seria o ideal e naturalmente muitas pessoas não se sujeitariam a usar internet "compartilhada" que é sem dúvida, sinônimo de "roubada". 


Texto: Maria Helena do Nascimento//Cidadã repórter
Informações sobre a ilegalidade da internet clandestina: 
http://www.estousendoenganado.com.br/